Attack on Titan Wiki

FandomDesktop

Com a chegada do FandomDesktop ontem, muitos de vocês que optaram por começar agora a usar ela, podem perceber que a wiki tá meio estranha, e realmente está, estou trabalhando para resolver isso, por isso, peço paciência. Obrigado.

Leia mais sobre a FandomDesktop aqui.

E a wiki terá uma drástica mudança de aparência, por isso não estou tão ativo como eu era antes, obrigado novamente pelo seu tempo!

LEIA MAIS

Attack on Titan Wiki
Advertisement
Attack on Titan Wiki
  • Manga
  • Anime
  • Junior High/High School manga
  • Spoof on Titan manga
  • Junior High anime
  • Garrison Girl
  • Este é um artigo destacado!Artigo Destacado
Artigo
Galeria
Quote1 Se nós, humanos, formos extintos, não será porque fomos comidos por Titãs! Será porque nos matamos! Não podemos nos dar ao luxo de morrer mais lá dentro. Eu gentilmente peço a você! Por favor, morra aqui! Quote2
— Pyxis motiva os soldados[1]

Dot Pyxis (ドット・ピクシス Dotto Pikushisu?) foi o oficial superior da Guarnição das Muralhas no território sul, Oficial Superior do Território do Sul (南側領土最高責任者 Minamigawa Ryōdo Saikō Sekininsha?) que inclui o Distrito de Trost. Muitas vezes ele é simplesmente chamado de "comandante" (司令 Shirei?). Em questões de defesa, ele recebe autoridade total. Foi transformado em titã após beber um vinho com o fluido espinhal do Zeke Yeager, e logo após é morto em sua forma de Titã.

Aparência[]

Pyxis era um homem careca com uma constituição estruturada. Ele tem olhos dourados e um bigode distinto, com pele clara e rugas notáveis sob e ao redor dos olhos. Como comandante, ele também usa uma gravata de bolo roxa, assim como seus colegas comandantes Erwin Smith e Nile Dawke. Como o oficial da Guarnição de mais alta patente, ele só é visto usando seu uniforme da Guarnição combinado com uma camisa branca de botões e uma faixa vermelha com detalhes dourados.

Personalidade[]

Pyxis era um homem excêntrico. Enquanto observava Titãs rompendo a Muralha Rose, ele disse que não se importaria de ser comido por um Titã se "fosse uma beleza estonteante". Ele mantém uma atitude calma e despreocupada, mesmo no meio do caos, e ele entende a luta e o sofrimento dos outros, pois ele é visto permitindo que os soldados que queriam partir porque ele entende a quantidade extrema de terror e medo naqueles soldados.[1] No entanto, Pyxis é um líder eficaz, como pode ser visto quando ele acalma todos os soldados que tentavam se rebelar e os convence com sucesso a continuar lutando para retomar Trost. Ele é um estrategista especialista e é capaz de avaliar uma situação com cuidado, mas também sabe quando correr riscos, o que leva à sua decisão de confiar em Eren Jaeger para impedir a violação. No entanto, ele afirmou que é um péssimo perdedor, e junto com isso, ele diz que a ideia de se entregar aos Titãs o deixa doente, representando sua determinação em tentar derrotar os Titãs e salvar a humanidade.[1]  Ele é um homem que faz escolhas inteligentes, colocar Ian Dietrich no comando dos esquadrões de elite que protegem Eren provou ser uma jogada sábia, pois Rico Brzenska e Mitabi Jarnach pediram que desistissem da operação, o que Ian negou, que acabou levando ao sucesso.

Enredo[]

Um Visitante Repentino: A Maldição Torturante da Adolescência[]

Quando o 104º Esquadrão de Cadetes participa de uma defesa simulada do Distrito de Trost, Pyxis fica encarregado deles, mas frequentemente cochilava durante o treinamento.

Depois disso, Pyxis se depara com três cadetes, Jean Kirschtein, Sasha Braus e Conny Springer, lutando entre si. Insistindo que eles não deveriam usar seu treinamento como desculpa para derrotar uns aos outros, Pyxis sugere que eles resolvam suas diferenças por meio de uma competição de culinária, que ele julgará.

Depois que Jean e Sasha prepararam seus pratos, Pyxis experimentou o prato de Sasha primeiro, um pedaço de carne. Ele fica tão impressionado com o sabor, que momentaneamente experimenta uma alucinação em que ele luta contra numerosos Titãs, antes de crescer até o tamanho de um Titã, momento em que é confrontado por uma série de cadetes que são capazes de se transformar em Titãs. Em seguida, ele prova o prato de Jean que, para surpresa de todos, é uma omelete simples. Ainda mais surpreendente, ele coroa Jean como o vencedor, explicando a uma Sasha enfurecida que ela perdeu porque dependia apenas da carne.[2]

Arco da Batalha por Trost[]

Enquanto jogava xadrez com Lord Wald um soldado traz a Pyxis a notícia de que a Muralha Rose foi violada e que os Titãs estão invadindo Trost. Pyxis decide entrar em cena, recusando calmamente o pedido do nobre para ficar e proteger sua propriedade.[3]

Pyxis stops the captain

Pyxis impede Weilman de dar o comando para atirar novamente

Depois que é descoberto que Eren Jaeger pode se transformar em um Titã, Eren é condenado à morte. Pyxis, no entanto, está por perto quando Armin Arlert faz um discurso apaixonado em defesa de seu amigo, garantindo os benefícios estratégicos e táticos que ele poderia trazer para virar a maré da batalha. O capitão da Guarnição no comando, Kitz Weilman, não é influenciado, mas quando ele está prestes a dar a ordem de matar, Dot Pyxis o impede, acreditando nas palavras de Armin.

Pyxis traz os três soldados em cima da Muralha Rose e esclarece a questão da transformação de Eren dizendo que verá a prova no porão de Eren. Ele questiona Armin sobre seu plano de usar a forma Titã de Eren para selar o buraco na Muralha Rose e fica tão animado que decide usá-la. Ele chama os oficiais de sua equipe para começar a planejar o ataque. No entanto, a Guarnição, já com muito pouca força de trabalho e moral após a evacuação, não está em condições de lutar novamente e muitos soldados tentam se amotinar para passar o pouco tempo que resta com suas famílias.

Pyxis announces the mission's objective

Pyxis anuncia o objetivo da missão

Para dar esperança aos soldados, ele apresenta Eren como parte de um experimento secreto do governo para transformar humanos em Titãs para combatê-los em pé de igualdade. Sem surpresa, Pyxis não é levado a sério e os soldados se viram para ir embora, alguns até lutando entre si. Finalmente, ele dá uma ordem de perdão a todos os desertores, o que choca os soldados de alta patente. No entanto, ele afirma que, ao partir, colocarão em risco suas famílias e os exporão ao mesmo terror que os paralisou. Esse argumento convence os soldados a recompor suas fileiras e iniciar a operação.[1] Pyxis monta um esquadrão de elite, colocando Ian Dietrich no comando. Ele dá ao esquadrão de elite as ordens de proteger Eren Jaeger, enquanto age de acordo com seus próprios critérios.[1]

Pyxis reflete sobre as tropas que ele sacrificou ao autorizar a operação para retomar o distrito de Trost. Ele admite que seria lembrado com prazer como um assassino pelo bem da sobrevivência da humanidade. Ele continua a supervisionar a operação, ordenando que seus homens continuem a atrair os Titãs para a esquina da cidade, e mantém esta postura mesmo quando o esquadrão de elite encontra dificuldades.[4] A operação de Pyxis termina com sucesso, e a primeira vitória da humanidade sobre os Titãs, com o portão para Trost sendo conectado com sucesso. Pyxis então implanta reforços para resgatar as tropas de elite.[5]

Arco da Véspera do Contra-Ataque[]

Pyxis mais tarde encontra o Comandante Erwin Smith no topo da Muralha, e os dois falam sobre o julgamento a ser realizado para decidir o destino de Eren. Pyxis informa Erwin que o resultado do julgamento será decidido por Darius Zachary, dependendo se Eren é benéfico ou não para a humanidade. Mais tarde, Pyxis comparece ao julgamento. Questionado por Darius Zachary, ele informa ao tribunal que é impossível lançar uma expedição de Trost.[6]

Arco do Confronto de Titãs[]

Pyxis is informed about Wall Rose

Pyxis é informado de que a Muralha Rose foi violada

Pyxis recebe a palavra de um membro da Guarnição de que a Muralha Rose foi violada.[7] No dia seguinte, ele é encontrado dormindo no topo da Muralha em Trost, até que seu ajudante, Anka Rheinberger, o desperta com um tapa. Ele é repreendido por beber muito álcool e informada que ela não quer cuidar dele trocando sua fralda. Anka relata a falta de Titãs detectados dentro da Muralha Rose e ele supõe que a parede não foi violada. Erwin Smith chega em breve e Pyxis o parabeniza por capturar a Titã Fêmea. Ele também espera que a invasão da Muralha Rose convença os nobres do interior a reconsiderar seus motivos.[8]

Pouco depois, um de seus soldados relata, confirmando que a Muralha Rose ainda está intacta. Pyxis é informado de que três recrutas da Divisão de Reconhecimento do 104º Esquadrão de Cadetes são Titãs. O esquadrão avançado da Guarnição testemunhou uma luta estourando no topo da Muralha Rose entre os soldados e os Titãs Blindado e Colossal, mas a luta acabou quando eles puderam ajudar.[8]

Após o resgate de Eren Jaeger, Pyxis se encontra com Levi e Erwin ao lado da cama deste, já que Erwin perdeu um braço na batalha. Hange Zoë relata junto com Conny Springer sobre suas descobertas na Vila Ragako. Pyxis pergunta se essa é a vila de onde a invasão dos Titãs se originou e Hange confirma. Hange tem a hipótese de que os aldeões foram transformados em Titãs.[9]

Arco do Governo Real[]

Pyxis and Erwin confer

Pyxis e Erwin conversam

Pyxis recebe uma carta de Erwin, informando-o de que ele planeja orquestrar uma rebelião contra o governo real. Pyxis visita Erwin imediatamente para confirmar as intenções de Erwin. Erwin garante a Pyxis que, dependendo se suas suspeitas estiverem corretas, eles serão capazes de assumir o poder pacificamente, em vez de pela força. Enquanto espera a confirmação de sua teoria, Erwin conta a Pyxis a história de como seu pai morreu.[10]

Quando Erwin termina sua história, Hange e Moblit chegam com informações que a família Reiss é a verdadeira família real, e que Historia é o próxima na linha de sucessão ao trono. Erwin explica a Pyxis que planeja resgatá-la e, em seguida, instalá-la publicamente como rainha, a fim de forçar uma mudança de regime. Suficientemente satisfeito com o plano de Erwin de um golpe sem derramamento de sangue, Pyxis concorda em apoiá-lo e parte.[10]

Pyxis logo concebe um plano para determinar se deve ou não executar o golpe. Ele decide testar se o atual governo é digno ou não de continuar operando, falsificando um anúncio de que a Muralha Rose foi violada durante o julgamento de Erwin. Se os funcionários do governo decidirem permitir refugiados na Muralha Sina para abrigo, apesar da escassez de alimentos que seria causada, então ele se entregará, e todos os seus cúmplices, a eles para julgamento. Se a ideia de guerra civil e o risco de seus próprios meios de subsistência os levarem a recusar os refugiados, os militares saberão que eles não estão aptos para liderar e devem ser substituídos.[11]

Pyxis está entre os comandantes militares que comparecem ao julgamento de Erwin. Quando questionado sobre sua opinião durante o julgamento, Pyxis afirma que não quer se associar aos soldados, preferindo evitar os conflitos humanos contra humanos que esses soldados aparentemente estão instigando. Depois de ouvir a opinião de Pyxis, os nobres conferem e anunciam que Erwin será executado por traição.

Pyxis orders assisting evacuees

Ordens de Pyxis para ajudar os evacuados

Na cura da sentença, Anka chega e anuncia que a Muralha Rose foi violada. Pyxis começa a dar ordens de evacuação para os refugiados, mas é interrompido quando os funcionários da capital decreta que nenhum refugiado terá permissão para entrar na Muralha Sina. Satisfeito com as reações deles, Pyxis discretamente envia Anka para buscar o Premier Darius Zachary e seus soldados. Zachary chega em breve, revelando que a violação da Muralha Rose foi uma simulação, e Pyxis anuncia o papel de todos em erradicar a corrupção presente dentro do governo real. Erwin é então libertado e os oficiais são presos por valorizarem sua riqueza em detrimento das vidas das pessoas.[11]

Os nobres não se preocupam em guardar segredos, contando livremente tudo o que sabem aos militares, incluindo a informação de que a família Reiss tem o poder de alterar a memória da população, o que lhes permitirá retomar o governo dos militares. Ao saber disso, Pyxis informa Erwin, dizendo-lhe que a menos que eles recuperem Eren antes que ele seja devorado, Rod Reiss será capaz de desfazer completamente todo o seu trabalho. Pyxis infelizmente afirma que ele, ao contrário de Erwin, não é fã de jogos de azar e apenas apoiou o golpe porque sentiu que era no melhor interesse da humanidade. Se o governo tivesse provado que ele estava errado e colocado a sobrevivência da humanidade em primeiro lugar, ele estaria preparado para ficar com eles e lutar contra as tropas de Zachary. Enquanto ele sai, Pyxis se pergunta solenemente quando os humanos vão parar de lutar uns contra os outros.[12]

Pyxis mais tarde comparece à coroação de Historia, juntando-se aos outros chefes dos militares em uma reverência a ela na frente da população enquanto ela é coroada.[13]

The military discusses the syringe

Pyxis e empresa discutem sobre a injeção

Pyxis, Erwin, Hange, Levi e Zachary têm uma reunião privada para discutir a injeção que Kenny deu a Levi. Hange explica que a análise é impossível porque o fluido evapora em contato com o ar. Pyxis então decide que deve ser usado para o propósito para o qual foi feito, para permitir que um humano se torne um Titã e então tome o poder dos Titãs. Erwin decide confiar o frasco a Levi porque ele é o soldado mais forte com maior chance de sobrevivência. Levi terá a liberdade de usá-lo com base em seu julgamento da situação.

Na noite da missão para retomar a Muralha Maria, Pyxis se destaca entre os outros líderes militares, saudando a Divisão de Reconhecimento em despedida antes de sua expedição ao distrito de Shiganshina.[14]

Arco do Retorno a Shiganshina[]

Enquanto Armin Arlert explica seu plano para a vitória contra o Titã Colossal para Eren, Pyxis se senta com os outros líderes militares bebendo chá e se preocupando se a operação para retomar a Muralha Maria e as terras da humanidade terá sucesso.[15]

Pyxis participa da reunião para informar os sobreviventes sobre a missão de recuperar a Muralha Maria.[16] Quando é sugerido que as informações recuperadas do porão de Eren sejam mantidas do público, Pyxis argumenta que enganar o público fará com que o governo atual não seja melhor do que aquele que eles derrubaram.[17]

Arco de Marley[]

No ano seguinte, Pyxis participa de outra reunião para discutir o pedido de Zeke Jaeger por uma aliança. Apesar de alguns funcionários quererem ir contra o plano, ele diz que eles deveriam ouvir o que Zeke tem a dizer antes de tomar uma decisão oficial.[18]

Mais tarde, ao se encontrar com a delegação de Hizuru, Pyxis reconhece que Paradis está extremamente atrás das outras nações do mundo e avisa alguns dos oficiais mais céticos presentes que eles concordam com a aliança de Hizuru.[19]

Depois que a Divisão de Reconhecimento retorna de seu ataque a Libério em 854, Pyxis se encontra com os Voluntários Anti-Marleyanos e recebe uma caixa de soros de Titã de Yelena que foram roubados de Marley. Apesar de saber que será difícil duplicar sem quaisquer recursos, Pyxis agradece por seus esforços em garantir as amostras. Ele reconhece que Yelena e seu grupo lhes deram esperança e lideraram o caminho para a liberdade sem receber nada de Paradis em troca. Apesar disso, Pyxis pede que Yelena e seu grupo façam vista grossa para as fraquezas de Paradis e insiste que, por enquanto, Zeke terá que ficar sob custódia.[18]

Arco da Guerra por Paradis[]

Pyxis posteriormente visita Yelena em sua cela, acompanhada por Anka. Ele observa que, 10 meses antes, houve uma mudança repentina no soldado responsável por vigiá-la para Floch Forster, atualmente detido por divulgar informações confidenciais. Ele lê que Floch a levou para um alojamento particular próximo à residência de Eren, na época em que Eren começou a realizar mais ações não autorizadas. Tendo terminado de ler suas suspeitas, Pixis se senta e admite que está feliz por ter a oportunidade de conversar com uma senhora tão bonita.[20]


Curiosidades[]

  • O nome "Pyxis" pode se referir à constelação "Pyxis Nautica" - latim para "A Bússola Naval".
  • Em 2010, Isayama postou uma postagem no blog admitindo que Dot Pyxis foi modelado após General Yoshifuru Akiyama, um general do Exército Imperial Japonês, a quem Isayama disse: "Eu respeito por levar uma vida tão simples e frugal."[21] Isso trouxe uma grande controvérsia e até ameaças de morte contra o mangaká que duraram anos (e podem continuar até hoje) de setores da população onde Yoshifuru é profundamente odiado.[22][23]
  • Em uma edição da Bessatsu Magazine, Isayama revelou que Pyxis é casado e tem filhos. [24]

Referências[]

Navegação[]

Advertisement